Temos de falar das camisolas do Sporting

Mais um ano, mais um lançamento de novas camisolas do Sporting, que vão vender como pãezinhos quentes, independentemente dos gostos. Este ano, devido à gala ter sido marcada para a véspera do aniversário, podem-se aproveitar os equipamentos logo no dia 1 de Julho: mais um dia para vender camisolas, e logo no dia de aniversário do Clube, com muita gente à volta do estádio em actividades e muito dinheiro a ser gasto na Loja Verde (que ainda é no Multidesportivo – mas devemos ter a nova Loja do pavilhão pronta até ao início da nova época). Deste ponto de vista, a mudança da data da apresentação dos equipamentos até acaba por ser uma boa ideia.

Vamos despachar o “chato” primeiro: A Stromp é a mesma pelo 3º ano consecutivo (ou pelo 2º, se quiserem contar a de 2016-17 como sendo diferente da de 2015-16 só porque tem botões em vez de molas e, nas costas, a coroa do emblema em vez do nome do Clube) e a listada é… listada. Muda o desenho da gola. Os bonecos da Macron (com novo logótipo) são pretos. Volta o leão dourado (o melhor pormenor das camisolas 2014-15) nas costas, que são verdes. (Não, não apoio costas listadas. Há problemas de legibilidade.) A Macron ainda não arranjou forma de centrar o logótipo deles na lista, algo que pode perturbar obsessivo-compulsivos. (Chateia-me, mas não me faz ficar a coçar até ficar em sangue.) E, como na época passada, há versão para mulher (mais cintada, gola mais larga). Os equipamentos de GR são diferentes, mas não têm nenhum elemento visual particularmente assinalável. Se quiserem personalizar, o tipo de letra dos números mantém-se o mesmo. (E isso é uma coisa boa.)

Depois, temos aquela camisola alternativa.

Imagem: Sporting Clube de Portugal

Não desgosto das cores, que parecem as das versões contrafeitas das camisolas da época passada. Não desgosto das riscas. E dou mérito ao sócio que venceu o concurso, por ter tido uma excelente ideia: Incluir o lema do Sporting, “Esforço, Dedicação, Devoção e Glória”, em braille. Não sei se é a primeira vez que um clube faz isto,1 mas, se for, ainda bem que é o Sporting.

A nível gráfico, a camisola também tem uma representação em código Morse (é giro, mas não passa disso), e que diz “VENCE POR [NOS] ÉS O NOSSO GRANDE AMOR” na parte da frente e “AMO-TE SCP” na parte de trás. Ora, há aqui um detalhe que me está a enervar particularmente. Parte da mensagem está integrada no nome do patrocinador do Futebol Masculino: a NOS. Vai ser giro ver “VENCE POR ROFF” no Futsal, ou “VENCE POR FERPINTA” no Hóquei, ou “VENCE POR ESPAÇO CASA” no Futebol Feminino. A não ser que haja um plot twist (que seria completamente imprevisível).

UPDATE, 21 de Julho: PLOT TWIST! Parece que as camisolas das modalidades vão ter “NOS” escrito em código morse! Hoje encontrei o Luís Silva, que desenhou a alternativa, e que explicou que a questão do patrocínio será ultrapassada com código morse nas camisolas. Estou muito, muito curioso para ver isto em prática. E, quem sabe, pode-se tornar num item para coleccionadores. (Se não for posta à venda, é certo.)

Fora isto: É propositadamente desequilibrada, por causa da inclusão do patrocinador na mensagem? É. Não deixa espaço para o O respirar. (A NOS não se deve ter importado com isso.) Mas tem o logótipo da Macron centrado.

Claro que, se este não-problema da camisola for o pior que o Sporting tiver em 2017-18, será uma das minhas preferidas de sempre (e comprarei uma, claro). Até porque estou a olhar para a camisola há uma hora e ainda não consegui decidir (fora a questão da mensagem em morse) se gosto dela ou não. Vejo melhor na Loja.

Acho que, numa coisa, todos podemos concordar: O vídeo de apresentação está do cacete. Parece algo vindo da Apple.


  1. A selecção francesa fez uma iniciativa semelhante, em 2009, num amigável frente à Nigéria, em que trocou as letras pela representação gráfica em braille dos nomes dos jogadores. 

Published by Manuel Reis

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *